METODOLOGIAS ATIVAS: SABERES, REPRESENTAÇÕES E IMPLICAÇÕES PARA A SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA

Lise Virgínia Vieira de Azevedo, Teresinha de Fátima Nogueira

Resumo


O cenário de pesquisa tem produzido crescentemente estudos que focam práticas pautadas em metodologias ativas em diversos contextos de ensino-aprendizagem. Nossas inquietações estão relacionadas ao perceber como ocorre a relação entre os princípios das metodologias ativas e as práticas de professores que podem estar à procura de novos métodos para motivar o aluno no processo de construção de conhecimento. Assim, o objetivo deste trabalho é discutir as metodologias ativas em uma tentativa de compreender este conceito para que atitudes conscientes possam direcionar o processo pedagógico em sala de aula. Esse estudo está dividido em três partes: reflexões de pesquisadores no campo conceitual, entre eles: Morán (2017); Berbel (2011); Barbosa e Moura (2013); estudo exploratório investigando as representações que universitários atribuem as aulas fundamentadas em metodologias ativas. Finalmente, discutimos as implicações de tais conceitos e investigação para a prática do professor de língua inglesa. 


Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, Eduardo F. e MOURA, Dácio G. Metodologias Ativas de Aprendizagem na Educação Profissional e Tecnológica. Boletim Técnico do Senac – Revista da Educação Nacional, v. 39, n.2, p. 48-67, maio/ago. 2013, Rio de Janeiro.

BERBEL, Neusi A.N. . As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Revista Semina, v. 32, n.1, p.25-40, 2011, Londrina. Disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326. Acesso em 05 de junho de 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. 12ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GRIGOLETTO, Marisa. Representação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira. In: CORACINI, Maria José (org.) Identidade e Discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LETA, Jacqueline. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, v.17, n.49, Sept./Dec. 2003, São Paulo. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000300016. Acesso em 24 de setembro de 2018.

LIPMAN, Mathew. O pensar na Educação. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

MARIN, Maria José S. et al. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das Metodologias Ativas de Aprendizagem. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA, v. 34, n.1, p. 13–20, 2010, Rio de Janeiro. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000100003. Acesso em 05 de junho de 2018.

MINAYO, Maria Cecília de S.et al. Pesquisa Social – Teoria, Método e Criatividade. 21ª. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

MITRE, Sandra M. et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.13, suppl.2, p.2133-2144, 2008, Rio de Janeiro. ISSN 1413-8123. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018. Acesso em 05 de junho de 2018.

MORÁN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. In: Souza, Carlos A. de e MORALES, Ofelia E. T. (orgs.). Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. v. II, PG: Foca Foto-PROEX/UEPG, p. 15-33, 2015. Disponível em: www2.eca.usp.br/moran. Acesso em 11 de junho de 2018.

_____. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In: YAEGASHI, Solange e outros (Orgs). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. CRV, p.23-35, 2017, Curitiba. Disponível em http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2018/03/Metodologias_Ativas.pdf . Acesso em 13 de junho de 2018.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 22.ed. São Paulo: Martins Fontes-Selo Martins,2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

______________________________________________________________________________