GAMIFICAÇÃO NO ENSINO DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO IFSP AVARÉ

Maressa De Freitas Vieira, Elaine Aparecida Campideli Hoyos

Resumo


Na busca de uma prática de ensino de línguas produtiva, em 2017, foram desenvolvidos dois projetos de extensão no IFSP-Avaré destinados a alunos do ensino médio do município e região: o “SOS Gramática”, centrado no português, e o “Abanico”, no espanhol. Os objetivos iniciais foram os de reelaborar os ensinos prescritivos e descritivos das línguas em questão por meio da “gamificação”, de desmistificar as falsas dificuldades e de ensinar a importância do conhecimento gramatical. Os projetos contaram com o auxílio de bolsistas graduandos de Letras que foram levados a refletirem sobre o ensino da gramática e suas implicações. Como resultados, houve uma notável melhora na convivência dos participantes ao realizarem tarefas em equipe, uma interação de discentes de diferentes turmas, o aperfeiçoamento linguístico nos idiomas abordados e a consequente formação de um cidadão crítico, reflexivo e comunicativo. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. A.; SANTOS, B. R.; FREITAS, L. G. de . 2017. Impacto das ações formativas no uso de tecnologias nas práticas docentes. In: Revista Psicologia: Teoria e Prática, 19.3, 316-334. São Paulo, SP, set.-dez. 2017. ISSN 1516-3687 (impresso), ISSN 1980-6906. Disponível online em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872017000300014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt . Acesso em: 19/09/2018.

BAPTISTA, J. B. 2014. Reflexões de professores de inglês em formação inicial sobre o uso de novas tecnologias. In: Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14.3, 533–552. Disponível online em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v14n3/aop4914.pdf . Acesso em: 12/09/2018.

FARDO, M. L. 2013. A gamificação como método: estudo de elementos dos games aplicados em processos de ensino e aprendizagem. Dissertação (Mestrado) – Universidade Caxias do Sul, Programa de PósGraduação em Educação. Disponível online em: https://repositorio.ucs.br/xmlui/handle/11338/457 . Acesso em: 13/09/2018.

FERRAZ, M. M. T. 2011. Gramática e formação do professor de língua materna: refletindo sobre o ensino e ensinando para a reflexão. In: Anais do VII Congresso Internacional da Abralin. Curitiba. Disponível online em: https://docplayer.com.br/48194588-Gramatica-e-formacao-do-professor-de-lingua-materna-refletindo-sobre-o-ensino-e-ensinando-para-a-reflexao.html . Acesso em 19/10/2018.

FEY, A. F. 2011. A linguagem na interação professor-aluno na era digital: considerações teóricas. In: Revista Tecnologias na Educação, 1. Disponível online em: http://tecedu.pro.br/wp-content/uploads/2015/07/Art1-ano3-vol-4-julho2011.pdf . Acesso em 16/10/2018.

ILARI, R. 1997. A linguística e o ensino da língua portuguesa. São Paulo: Martins Fontes.

LEFFA, V. 2014a. Gamificação adaptativa para o ensino de línguas. In: Anais do Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Innovación y Educación. Buenos Aires, Argentina, Disponível online em http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/Gamificacao_Adaptativa_Leffa.pdf . Acesso em 16/10/2018.

______________ et al. 2014b. Aprendizagem como vício: o uso de games na sala de aula. In: Revista (Con)Textos Linguísticos, 10.1, p. 358-378. Disponível online em: http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/Aprendizagem_vicio.pdf . Acesso em 19/10/2018.

LEVY, P. 2011. Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

LORENZO, M. B. 2016. La gamificación en el aula de lengua extranjera. In: El español como lengua extranjera en Portugal II: retos de la enseñanza de lenguas cercanas. Portugal: Centro de Publicaciones - Ministerio de Educación, Cultura y Deporte, p. 14-25. Disponível online em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/90277/2/170310.pdf . Acesso em 19/09/2018.

LUCENA, S. 2016. Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. In: Educar em Revista, Curitiba, Brasil, 59, 277–290.

MASSAROLO, J. C., MESQUITA, D. 2013. Narrativa transmídia e a Educação: panorama e perspectivas. In: Revista do Ensino Superior, 9, p. 34-42. Campinas: UNICAMP. Disponível online em: https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/edicoes/ed09_abril2013/NMES_3.pdf . Acesso em: 04/07/2018.

NEVES, M. H. M. 2002. Que gramática estudar na escola? Norma e uso da Língua Portuguesa. São Paulo: Contexto.

PAGLIARINI COX, M. I.; ASSIS-PETERSON, A. A. 2001. O professor de inglês - Entre a alienação e a emancipação. Linguagem & Ensino, 1, p.11-36. Disponível online em: http://www.rle.ucpel.tche.br/index.php/rle/article/view/260/226 . Acesso em 20/09/2018.

PERINI, M. 2005. Sofrendo a Gramática. São Paulo: Ática.

POSSENTI, S. 2004. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado de Letras.

PRENSKY, M. 2001. Digital Natives, Digital Immigrants, Part II: Do They Really Think Differently? In: On the Horizon, 6. England: MCB University Press. Disponível online em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part2.pdf . Acesso em: 16/10/2018.

_____________ . 2002. The motivation of gameplay: The real twenty-first century learning revolution. In: On the Horizon, 1, 5–11. England: MCB University Press.. Disponível online em: https://www.emeraldinsight.com/doi/pdfplus/10.1108/10748120210431349 . Acesso em: 16/10/2018.

_____________. 2010. Não me atrapalhe, mãe – Eu estou aprendendo! São Paulo: Phorte.

TRAVAGLIA, L. C. 2002. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. São Paulo: Cortez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

______________________________________________________________________________