O USO DE NEOLOGISMOS EM PRODUÇÃO FONOGRÁFICA

Dulce Helena Soares

Resumo


Este trabalho discorre brevemente sobre os motivos pelos quais neologismos são utilizados no campo da Produção Fonográfica, apresentando alguns termos e seus significados pesquisados a partir de traduções de textos na área. O conteúdo traduzido é proveniente da matriz curricular do curso de Produção Fonográfica da Fatec Tatuí e realizado pelo Núcleo de Traduções, um grupo de estudo constituído por alunos proficientes em língua inglesa e a docente da disciplina de inglês desse curso.  Essa pequena pesquisa pretende converter-se em um glossário com a terminologia pertinente na área para proveito dos educandos.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALFARO, C. e DIAS, M. C. Sistemas de Tradução por máquina: ferramentas de auxílio à tradução. Tecgraf. Disponível em: http://webserver2.tecgraf.puc-rio.br/~carolina/ferramentas.html . Acesso em 30/04/2018.

ALVES, I. M. 1984. A integração dos neologismos por empréstimo ao léxico português, São Paulo.

ASSIS, A. G. B. de. 2007. Adaptações fonológicas na pronúncia de estrangeirismos do

Inglês por falantes de Português Brasileiro. Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

BEVILACQUA, C. e KILLIAN, C. 2017. Tradução e Terminologia relações necessárias e a formação do tradutor, Domínios de Lingu@gem, 5, p. 1707-1726, Uberlândia.

CAMPOS, T. e LEIPNITZ, L. 2017. Competência tradutória: o desenvolvimento da subcompetência sobre conhecimentos em tradução, Domínios de Lingu@gem, 5, p. 1727-1745, Uberlândia.

COSTA, P. R.; MARINI, S. 2013. Entrevista com Carsten Sinner. In-Traduções Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da UFSC, 7, p. 68-76, Florianópolis.

CRYSTAL, D. 1987. The Cambridge encyclopedia of language, p. 14-16. Universidade de Cambridge, Inglaterra.

HAMANN, R. 2009. Mídias de Armazenamento 50 anos de história. Tecmundo. Disponível em: https://www.tecmundo.com.br/internet/3231-midias-de-armazenamento-50-anos-de-historia.htm . Acesso em 09/07/2018;

IZHAKI, R. 2008. Mixing Audio: concepts, practices and tools. Elsevier, EUA.

JESUS, A. M. R. de. 2012. Empréstimos, tradução e uso na prática terminológica. TradTerm, São Paulo, 20, p. 111 – 128. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/tradterm/article/view/49047/53118 . Acesso em 30/04/2018.

OWSINSKI, B. 2017. The recording engineer’s handbook. Segunda edição, Cengage. EUA.

SOUZA, J. P. de. 1998. Teorias da Tradução: Uma Visão Integrada. Revista de Letras, 20. Universidade Federal do Ceará, Ceará.

VICENTE, E. 2002. Música e disco no Brasil: a trajetória da indústria nas décadas de 80 e 90. Escola de Comunicação e Artes, São Paulo.

VICENTE, E. et al. 2008. Segmentação e consumo: a produção fonográfica brasileira-1965-1999. ArtCultura, 16, p. 103-121, São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________