OTIMIZANDO O ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA A PARTIR DE TEORIAS LINGUÍSTICAS

Maísa Sancassani

Resumo


Este artigo dedica-se a demonstrar como teorias linguísticas podem subsidiar a visão sociointeracionista presente nos Parâmetros Curriculares Nacionais e fornecer ao professor recursos para implementar sua atuação em sala de aula. Procurou-se explorar conceitos fundadores como os do inatismo e da aquisição da linguagem e apontá-los como pontos-chave teóricos que podem contribuir para a reflexão acerca da prática pedagógica do ensino de língua estrangeira. A teoria de Krashen, considerando-se principalmente a Hipótese do Insumo e a do Filtro Afetivo, demonstra que há características inatas do aparato mental capazes de assimilar espontaneamente uma língua estrangeira se certas condições forem satisfeitas. Conclui-se que é possível sistematizar os conhecimentos acerca da natureza da linguagem em benefício de um modelo de ensino-aprendizagem mais eficiente. Atribui-se ao professor o papel central para a implementação de uma transformação do ensino de línguas, destacando a necessidade de constante melhora na formação e qualificação docente.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL/MEC/SEB. 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais, Brasília DF: MEC/SEB. Disponível online em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf.pdf. Acesso em: 19 out. 2016.

CALLEGARI, M.O.V. 2006. Reflexões sobre o modelo de aquisição de segundas línguas de Stephen Krashen: uma ponte entre a teoria e a prática em sala de aula. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, 45.1: 87-101.

CHOMSKY, N. 1959. A Review of B. F. Skinner's Verbal Behavior. Language, 35.1: 26-58.

KRASHEN, S. 1982. Principles and practice in second language acquisition. Oxford, Pergamon.

KRASHEN, S. 1985. The Input Hypothesis: issues and implications. London, Longman.

KRASHEN, S. 1987. Principles and practice in second language acquisition. Prentice- hall International, London.

LANDAU, B.; GLEITMAN, L. 1985. Language and experience: evidence from the blind child. Cambridge, MA: Harvard University Press.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação. 2014. Material de apoio ao currículo do Estado de São Paulo. Caderno do Professor. Inglês. Ensino Médio – 1ª série. Vol. 1. Edição 2014-2017.

SCHÜTZ, R. 2014. Stephen Krashen's Theory of Second Language Acquisition. English Made in Brazil, 22 jun. 2014. Disponível online em . Acesso em 23 nov. 2016.

SELVERO, C.M.; LIMA, L.J.R. 2008. A influência do input na aquisição da segunda língua (L2). Linguagens e Cidadania, Santa Maria, RS, jan. - jun. 2008. Disponível online em: http://jararaca.ufsm.br/websites/l&c/download/Artigos08/Carolini_Liara.pdf. Acesso em: 25 out. 2016.

SINGLETON, D.; RYAN, L. 2004. Language acquisition: the age factor. Clevedon, UK: Multilingual Matters.

SKINNER, B. F. 1957. Verbal Behavior. New York: Applenton-Century-Crofts.

VYGOTSKY, L. 1991. A formação Social da Mente. 4ed. São Paulo: Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________