OS RÓTICOS DO ESPANHOL EM POSIÇÃO DE CODA: UMA ANÁLISE DA REALIZAÇÃO DE FALANTES BRASILEIROS FUTUROS PROFESSORES

José Rodrigues de Mesquita Neto

Resumo


Partimos da seguinte pergunta: de que maneira emerge o rótico em posição de coda no espanhol falado por alunos brasileiros em níveis avançados? Objetivamos analisar a interfonologia dos róticos envolvendo o português brasileiro e o espanhol no que diz respeito às codas realizadas por alunos futuros professores de espanhol. Temos por hipótese que esses discentes apresentam dificuldades na produção da coda devido à influência de sua língua materna, tendendo a realizarem um alongamento vocálico em coda final absoluta. Discutimos autores que trabalham com os conceitos de linguagem e interlíngua, assim como outros que lidam diretamente com a interfonologia dos róticos como é o caso de Silva (2007) e Carvalho (2006), bem como Brisolara e Semino (2014) que fazem um estudo comparativo entre os sistemas fônicos do espanhol e do português mostrando a influência de uma língua sobre a outra. Para a realização da pesquisa utilizaremos o método indutivo-dedutivo, corte transversal e teremos como corpus de análise a gravação de áudios de alunos do 7º período do curso de Letras com habilitação em língua espanhola.  

PALAVRAS-CHAVE: Vibrante simples; Fonética e fonologia; Discentes de espanhol.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVARENGA, E. M. 2014. Metodología de la investigación cuantitativa y cualitativa. Asunción: Diseños.

ÁLVAREZ, M.; RODRÍGUEZ, J. 2003. Ejercicios de fonética: Niveles avanzados y superior. Madrid: Anaya.

BARBOZA, C. L. 2008. Descrição acústica dos sons vocálicos anteriores do inglês e do português realizados por professores de inglês língua estrangeira no oeste potiguar. 2008. 183f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

BRANDÃO, L. R. 2003. Yo hablo. Pero...¿Quién corrige?: A correção de erros fonéticos persistentes nas produções em espanhol de aprendizes brasileiros. 2003. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Curso de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BRISOLARA, L.; SEMINO, M. 2014. ¿Cómo pronunciar el español? La enseñanza de la fonética y la fonología para brasileños: Ejercicios prácticos. Campinas: Pontes Editores.

BOERSMA, P.; WEENINK, D. 2007. Praat: doing phonetics by computer. Versão 4.6.21. [S.l]. Disponível em: www.praat.org. Acesso em: 13 de maio de 2017.

CÂMARA JR., J. M. 1998. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes.

CARVALHO, K. C. 2004. Descrição fonético-acústica das vibrantes no português e no espanhol. 2004. 213f. Tese (Doutorado em Letras) – Curso de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis.

CRISTÓFARO-SILVA, T. 2013. Fonética e fonologia do português. São Paulo: Contexto.

FERNÁNDEZ, J. 2007. Fonética para profesores de español: de la teoría a la práctica. Madrid: Arco/libros.

FIORIN, J. L. 2013. A linguagem humana: do mito à ciência. In.: FIORIN, J. L. (org). Linguística? Que é isso? São Paulo: Contexto.

JURADO, M.; ARENAS, M. 2005. La fonética del español. Buenos Aires: Quorum.

LADEFOGED, P.; MADDIESON, I. 1998. The sound of the world's languages. Oxford: Blackwell Publishers.

MASIP, V. 2014. Fonologia, fonética e ortografia portugueses. Rio de Janeiros, E.P.U.

MASIP, V. 2005. Fonología y ortografía españolas: curso integrado para brasileños. Recife: Bagaço.

MASIP, V. 2010. Principios de fonología y fonética españolas. Madrid: Arco Libros.

QUILIS, A. 2010. Principios de fonología y fonética españolas. Madrid: Arco Libros.

ROMERO, A. S. 2008. Lingüística Aplicada. Bogotá: UNAD.

SILVA, A. H. P. 1996. Para a descrição fonético-acústica das líquidas no português brasileiro: dados de um informante paulistano. 1996. 231f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas.

SILVA, K. C. 2007. Ensino-Aprendizagem do espanhol: O uso interlinguístico das vibrantes. 2007. 161f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Curso de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

SOUZA, P.; SANTOS, R. 2010. In: José Luiz Fiorin. (Org.). Introdução à Linguística – Vol. II. Princípios de Análise. São Paulo: Contexto.

VIANA, N. 1997. Planejamento de recursos de línguas – pressupostos e recursos. In: ALMEIDA FILHO, J. (org.) Parâmetros atuais para o ensino de português língua estrangeira. Campinas: Pontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________