O INGLÊS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO E O USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

Tayza Nogueira Rossini

Resumo


Falada por milhões de pessoas ao redor do mundo e em expansão cada vez mais significativa, a Língua Inglesa tem se caracterizado enquanto Língua Franca e tem viabilizado, ao lado das tecnologias digitais, novas perspectivas de aprendizagem da língua. Desta forma, o presente trabalho busca, por meio de uma pesquisa bibliográfica, evidenciar novas possibilidades para a educação em um contexto educacional em que, cada vez mais, novas perspectivas são criadas e a aprendizagem da Língua Inglesa é potencializada.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS-PETERSON, A. A.; COX, M. I. P. Standard English & World English: entre o siso e o riso. Calidoscópio. V.11, N.2, p.153-166, mai/ago, 2013.

BRAGA, Juliana; MENEZES, Lilian. Introdução aos Objetos de Aprendizagem. 2014. IN: BRAGA, Juliana (Org), Objetos de Aprendizagem. Volume 1: Introdução e Fundamentos. Santo André, SP: Editora da UFABC, 2014.

FREY, N.; FISHER, D.; GONZALEZ, A. Literacy 2.0: reading and writing in 21st century classrooms. Bloomington: Solution Tree Press, 2010.

JENKINS, J. English as a Língua Franca from the classroom to the classroom. ELT Journal, v.66, n.4, p.486-494, 2012.

KENSKI, V. M. Novas tecnologias - O redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. In: Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n. 8, mai-ago 1998. p. 58-71.

LEFFA, V. J. Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras. In: LEFFA, V. J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas (RS): Educat, 2001, p. 333-355.

LEFFA, V. J. Teaching English as a multinational language. The Linguistic Association of Korea Journal. Vol.10, N.1, 2002.

MARX, Karl. O capital: crítica da Economia Política. São Paulo: Jose Olympio Ltda, 1988.

MORAES, C. M. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1997.

MORAN, José (Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

PAIVA, V. L. M. de O. A www e o ensino de Inglês. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p.93-116, 2001. Trimestral.

PÁDUA, Elizabeth Matallo M. de. Metodologia da Pesquisa: abordagem teóricoprática. 1ª ed. Revista e atualizada, Campinas, SP: Papirus, 2004.

RAJAGOPALAN, K. O lugar do inglês no mundo globalizado. In: SILVA, K. A. (Org.) Ensinar e aprender línguas na contemporaneidade: linhas e entrelinhas. Campinas: Pontes Editores, 2010.

SEIDLHOFER, B. Understanding English as a Lingua Franca. Oxford: Oxford University Press, 2011.

SILVA, Marcelo José da. Novas Tecnologias na Educação. Maringá, UniCesumar, 2018.

TEIXEIRA, E. D. Tecnologia no ensino de línguas: e agora professor! Webrevista Página de Debate: Questões de Linguística e de Linguagem, Campo Grande, n. , p.1-11, fev. 2010. Disponível em: Acesso em: 03 jan. 2020.

TORRES, Patrícia Lupion. IRALA, Esrom Adriano F. Aprendizagem Colaborativa: Teoria e Prática, 2014. Disponível: http://www.agrinho.com.br/site/wp-content/uploads/2014/09/2_03_Aprendizagem-colaborativa.pdf. Acesso em: 03 jan. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________