ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM PARA A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA BASEADA EM COMPETÊNCIAS

Simone Telles Martins Ramos, Janaína Oliveira Silva, Flávia Andrea Pasqualin, Mônica Cristina Garbin

Resumo


Na sociedade atual, a Educação a Distância (EAD) ocupa papel de destaque, considerando que, por meio de suas estratégias e ferramentas de aprendizagem, permite ao sujeito apropriar-se de conhecimentos técnicos com fins ao desenvolvimento de habilidades e competências que lhes são cobradas no mundo do trabalho e mesmo na vida pessoal. O objetivo deste trabalho é apresentar a Live como estratégia de aprendizagem utilizada na EAD com vistas ao desenvolvimento de competências. Assim, optamos pela metodologia qualitativa e tomamos como escopo os cursos oferecidos pela Univesp, de maneira a mostrar como essa estratégia de ensino-aprendizagem favorece a integração no desenvolvimento das habilidades e competências de seus alunos. É à luz de pesquisadores como Pierre Lévy, José Moran e Patrícia Behar, dentre outros nomes da Educação, que assentamos nossas discussões. Os resultados esperados buscam contribuir com reflexões para os estudos da área, bem como para possíveis intervenções em cursos EaD.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, U. F. et al. A formação de professores para inovar a educação brasileira. In: Flavio Rodrigues Campos, Paulo Blikstein. (Org.). Inovações radicais na educação brasileira. 1ed. Porto Alegre: Penso, 2019, v. , p. 40-53.

BEHAR, P. A. et al. Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed, 2008.

BENDER, W. N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso, 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão; Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional de Educação; Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013. Disponível em:

diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 13 fev. 2020.

CASTELLS, M. A Galáxia da Internet: Reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO (CEE-SP). Portaria CEE-GP nº 120, de 22 de março de 2013.

COLL, C.; MONEREO, C. (Orgs.). Psicologia da educação virtual: aprender a ensinar com as tecnologias da informação e comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CUSTÓDIO, F. A. et al. Projeto Live: novas possibilidades de interação nos cursos de graduação da Univesp - Universidade Virtual do Estado de São Paulo. In: VI Seminário Web Currículo: Educação e Humanismo, 2019, São Paulo. Anais do VI Seminário Web Currículo: Educação e Humanismo. São Paulo: PUCSP, 2019. p. 178-168.

CRESWELL, J.W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. (tradução Luciana de Oliveira da Rocha).Porto Alegre: Artmed, 2007.

GARBIN, M. C. et al.. Prototipagem como estratégia de aprendizagem ativa em cursos de graduação. In: 23o Congresso Internacional ABED de Educação a Distância, 2017, Foz do Iguaçu. Anais do 23o CIAED. São Paulo: ABED, 2017. p. 1-10.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

KEARSLEY, G.; MOORE, M. G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Cengage Learning, 2007.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

_____.A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 2010.

_____. Congresso Fronteiras do Pensamento, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://www.fronteiras.com/conferencistas/pierre-levy

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: Convergências Midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, 2015. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf

SOUZA, A. R. B.; SARTORI, A. S.; e ROESLER, J. Mediação Pedagógica na Educação a Distância: entre enunciados teóricos e práticas construídas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 24, p. 327-339, maio/ago. 2008.

UNIVESP. Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). 2018. Disponível em: https://univesp.br/institucional/plano-de-desenvolvimento-institucional.

_____. Relato das Lives. Equipe Técnica de Acompanhamento das Atividades de Mediação do Ensino. 2019.

VALENTE, J.A. A espiral da aprendizagem e as tecnologias da informação e comunicação: repensando conceitos. In: JOLY, M.C. (Ed.) Tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p.15-37.

_____. Educação a distância no ensino superior: soluções e flexibilizações. Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação. Vol.7 no.12. Botucatu. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832003000100010


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________