A TECNOLOGIA NO CENTRO DO UNIVERSO: A EDUCAÇÃO PROIONCÊNTRICA

Daniella Almeida Menezes

Resumo


Este artigo focaliza um aspecto da minha tese de doutorado defendida em 2018, na Universidade de São Paulo. Tratarei aqui do papel da tecnologia, em específico do computador conectado à internet, como recurso de mediação pedagógica imprescindível em tempos de educação digital. O corpus de análise é formado por comentários retirados de um fórum de discussão de um curso de pós-graduação lato sensu a distância em “Docência no Ensino Superior”. A metodologia de pesquisa é de base analítico-interpretativa sob um viés discursivo. O referencial teórico adotado é o da Análise do Discurso de filiação pecheutiana, além do conceito de sujeito psicanalítico, dos conceitos de subjetividade e modos de subjetivação, postulados por Foucault, e do conceito de “proioncentrismo”, cunhado por mim. O objetivo deste artigo é desnaturalizar, ou pelo menos problematizar o papel da tecnologia como centro do processo de ensino e aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSEN, E.M.L. 2013. O uso de multimídia digital no ensino. Por quê? Para quê? In: ANDERSEN, E..L.A. (org.) Multimídia digital na escola. São Paulo: Paulinas, p. 13-40.

BALL, S.J. 1990. Management as moral technology: a Luddite analysis. In: BALL, S.J. (org.) Foucault and Education: disciplines and knowledges. London: Routledge, p. 153- 166.

BRASIL. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

CARCANHOLO, M.D. 1998. Neoliberalismo e o Consenso de Washington: a verdadeira concepção de desenvolvimento do governo FHC. In: MALAGUTI, M.L.; CARCANHOLO, R.A.; CARCANHOLO, M.D. (orgs.) Neoliberalismo: a tragédia do nosso tempo. São Paulo: Cortez, p. 15-35.

CONFUORTO, Inês. 2015. O efeito-sujeito professor de inglês à deriva: discurso educacional-pedagógico e implicações para uma formação com professores. 2015. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

CORACINI, M.J. 2006. Identidades múltiplas e sociedade do espetáculo: impacto das novas tecnologias. In: MAGALHÃES, I; CORACINI, M.J.; GRIGOLETTO, M. (org.). Práticas identitárias: língua e discurso. São Carlos: Claraluz, p. 133-156.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. 2013. Micropolítica: cartografias do desejo. 12 ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

MELMAN, C. 2008. O homem sem gravidade: gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

MOORE, M.G.; KEARSLEY, G. 2012. Distance Education: a systems view of online learning. 3ª ed. Belmont, CA: Wadsworth, Cengage Learning.

PÊCHEUX, M. [1975] 2009. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

_______. [1983] 1997. O discurso: estrutura ou acontecimento. 2 ed. Campinas, SP: Pontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________