A INTERFERÊNCIA DAS RELAÇÕES GRAFOFONÊMICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA COMO LÍNGUA MATERNA NAS RELAÇÕES GRAFOFONÊMICAS DA LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

Tabata Martins Rubim Soares

Resumo


O presente artigo relata a pesquisa feita a partir da leitura em voz alta de uma lista de palavras em língua inglesa por estudantes entre 9 e 10 anos de idade de uma escola pública de São Paulo. O objetivo do estudo foi analisar a interferência da língua portuguesa (língua materna) sobre a língua inglesa (língua estrangeira) na performance das crianças no que tange às relações de letra-som em ambas as línguas. Para tanto, foram analisadas as leituras de 24 palavras por cada um dos 20 alunos, a partir de 4 grafemas presentes em ambas as línguas (-s, -l, -g e –ch). Após a análise desses dados, percebeu-se que as regras já consolidadas sobre as relações grafofonêmicas (letra-som) na língua portuguesa influenciam diretamente na produção oral na leitura das palavras em língua inglesa. Constatou-se que os padrões da língua materna criam regras para a leitura das palavras estrangeiras de menor frequência do convívio dos aprendizes e isso é agravado pelo fato de a língua portuguesa parecer ser mais direta em suas relações entre grafema-fonema, diferente da língua inglesa, que possui mais sons para representar cada grafema.

Texto completo:

PDF

Referências


AKAMATSU, N. A similarity in word-recognition procedures among second language readers with different first language background. Applied psycholinguistics, 2002. v. 23.

BARON, J., & STRAWSON, C. Use of orthographic and word-specific knowledge in reading words aloud. Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance, 1976. v. 2. p. 386–393. Disponível online em: https://doi.org/10.1037/0096-1523.2.3.386. Acesso em: 25 ago. 2020.

CAPOVILLA, Alessandra G S; CAPOVILLA, Fernando César; MACEDO, Elizeu C. Validação do software cronofonos para análise de tempo de reação, duração e frequência de segmentação locucionais na leitura em voz alta de itens isolados. Ciência Cognitiva: Teoria, Pesquisa e Aplicação. São Paulo, 1998. v. 2. n. 3. p. 253-340.

CAPOVILLA, F. C.; Casado, K. Quebrando o código do português brasileiro: Como calcular a cifrabilidade de qualquer palavra falada e a decifrabilidade de qualquer palavra escrita. 1. ed. São Paulo: Memnon Edições Científicas, 2014. v. 1. p. 410.

CAPOVILLA, F. C. Nossa Língua Portuguesa: Como avaliar o grau de cifrabilidadede qualquer palavra falada e o grau de decifrabilidade de qualquer palavra escrita nas normas lusitana e brasileira. In: PEREIRA, Rafael. (Org.). Abordagem Multidisciplina. 2015.

CELCE-MURCIA, M.; BRINTON, D.; GOODWIN, J. Teaching pronunciation: a reference for teachers of English to speakers of other languages. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. p. 62-7.

COLTHEART, M., RASTLE, K., PERRY, C., LANGDON, R., & ZIEGLER, J.C. DRC: A dual route cascaded model of visual word recognition and reading aloud. Psychological Review, 2001. p. 108, 204-256.

ESTEBAN, Maria Paz Sandín. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

FIGUEIREDO, José Francisco Quaresma de. Aprendendo com os erros: uma perspectiva comunicativa de ensino de línguas. Editora UGF, 2002.

FORSTER, K. I., & CHAMBERS, S. M. Lexical access and naming time. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior. 1973. p. 12, 627–635.

MASCHERPE, Mário. Análise comparativa dos sistemas fonológicos do inglês e do português. Tese de doutoramento. São Paulo: Empresa gráfica da revista dos tribunais S. A., 1970.

MAZURKIEWICZ, Albert J. Teaching about Phonics. New York: St. Martin's, 1976.

OLIVEIRA, J. B. A. de. Manual de consciência fonêmica. 10. ed. Brasília: Instituto Alfa e Beto, 2010.

PARENTE, M. et al. As palavras do português. In: ______. Dislexia: Implicações do sistema de escrita do Português. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. p. 41-56

PINHEIRO, Ângela Maria Vieira; ROTHE-NEVES, Rui. Avaliação Cognitiva de Leitura e Escrita: As Tarefas de Leitura em Voz Alta e Ditado. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 1995. vol. 14. n. 2, p. 399-408. Disponível online em: https://doi.org/10.1590/S0102797220010002000 14. Acesso em: 26 ago. 2020.

PINHEIRO A. Contagem de frequência de ocorrência e análise psicolinguística de palavras expostas a crianças na faixa pré-escolar e séries iniciais do 1º Grau. São Paulo: Associação Brasileira de Dislexia, 1996. Disponível online em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ nlinks&ref=000238&pid=S23171782201300030001100024&lng=pt. Acesso em: 26 ago. 2020.

RIGATTI-SCHERER, A. P. Letras de Hoje. Porto Alegre, v. 43, n. 3, jul./set. 2009. p. 81-88.

SALLES, Jerusa Fumagalli de.; PARENTE, Maria Alice de Mattos Pimenta. Processos cognitivos na leitura de palavras em crianças: relações com compreensão e tempo de leitura. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 2002. vol. 15, n. 2. p. 321-331. Disponível online em: https://doi.org/10.1590/S0102-79722002000200010. Acesso em: 26 ago. 2020.

SÃO PAULO (SP). Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Pedagógica. Currículo da cidade: Educação Infantil. São Paulo: SME / COPED, 2019. Disponível online em: https:// educacao.sme.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2019/10/cc-eja-lingua-inglesa.pdf. Acesso em: 20 ago. 2020.

SEYMOUR, P. H. K.; MACGREGOR, C. J. Developmental dyslexia: A cognitive experimental analysis of phonological, morphemic and visual impairments. Cognitive Neuropsychology. v. 1. 1986. p. 43-82.

SEYMOUR, P. H. K. Individual cognitive analysis of competent and impaired reading. British Journal of Psychology 78, 1987. p. 483-506.

SNOWLING, M.; HULME, C. A Ciência da leitura. São Paulo: Pensa, 2005.

VIARO, Mario E. Análise quantitativa da frequência dos fonemas e estruturas silábicas portuguesas. Publicado em Estudos Linguísticos. São Paulo, v. 36, 2007. p. 28-36.

VIARO, Mario E. Acerca dos diferentes graus de distinção em fonologia: o caso dos fonemas portugueses em dissílabos do tipo CVCV. Publicado em Filologia e Linguística Portuguesa, v. 12, 2010. p.125-148.

ZIMMER, Márcia Cristina. Cognição e aprendizagem de L2: uma abordagem conexionista. In: FELTES, Heloísa; FARIAS, Emília Maria P; MACEDO, Ana Cristina Pelosi (Org.) Cognição e linguística. Caxias do Sul: EDUSC, 2008.

ZIMMER, M. C. A transferência do conhecimento fonético-fonológico do português brasileiro (L1) para o inglês (L2) na recodificação leitora: uma abordagem conexionista. [tese]. Tese de Doutorado. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2020)

______________________________________________________________________________