ANÁLISE E USO DE APLICATIVOS CELULARES PARA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA

Victoria Martos Harres, Leonardo Rubin, Andressa Brawerman-Albini

Resumo


Com a constante expansão da tecnologia e o uso de smartphones por grande parte da população ao redor do globo, é inegável a presença desses aparelhos em salas de aula bem como de aplicativos de ensino de línguas. Uma das dificuldades que trabalhos que envolvem a tecnologia no ensino encontram ao discutir esse tópico é a expansão não linear da tecnologia e como lidar com essa expansão no mundo da educação. Com essas dificuldades e metas em mente, este trabalho visa analisar aplicativos de línguas e propor possíveis usos desses recursos para fins pedagógicos. Duas grandes etapas nortearam esta pesquisa: a análise de dois aplicativos de línguas usados mundialmente (Duolingo e Memrise) e o contraste com a literatura prévia sobre aplicativos celulares e ensino. Os dados levantados apontam que os aplicativos sofreram grandes mudanças positivas –acessibilidade, funcionalidade e adaptabilidade-, mas ainda não podem ser utilizados independentemente de um instrutor.


Texto completo:

PDF

Referências


ALDA, L. S.; LEFFA, V. J. Entre a carência e a profusão: Aprendizagem de línguas mediada por telefone celular. Conexão – Comunicação e Cultura. UCS, Caxias do Sul, v. 13, n. 26, p. 75-97, 2014.

ARAUJO, T. O.; BARTOLO, M. G. A Gamificação em apps educacionais: investigando as potencialidades de Memrise e Upmind para a aprendizagem da língua inglesa. In: SIMPÓSIO DE HIPERTEXTOS E TECNOLOGIA DA EDUCAÇÃO, 7. Recife, 2017. ISSN: 1984-1175 – Anais eletrônicos: Recife, UFPE, 2017. p. 691-713.

CENSI, L. J. L. Celulares nas escolas: Implicações para as práticas docentes. Revista Linguagem, Ensino e Educação. Criciúma, v. 1, n. 1, p. 1-9, 2017.

COELHO, R. da C.; MOTA, B. C. C.; SILVA, V. M. da C.; NETO, J. M. M. Duolingo: inovação do inglês na escola. Revista do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica. Universidade Federal do Piauí, Form@re, Teresina, v. 4, n. 1, p.142-147, 2016.

DIAS, R. WebQuests: Tecnologias, multiletramentos e a formação do professor de inglês para a era do ciberespaço. RBLA, Belo Horizonte, v. 12, n. 4, p. 861-881, 2012.

DUARTE, G. B.; ALDA, L.; LEFFA, V. Gamificação e o feedback corretivo: considerações sobre a aprendizagem de línguas estrangeiras pelo Duolingo. Raído, Dourados, MS, v. 10, n. 23, p. 114-128, 2016.

FARDO, M. L. A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. Renote – Revista Novas Tecnologias na Educação. Porto Alegre, Cinted-Ufrgs, v. 11, 2013.

FIGUEIREDO, A. G. F.; NANTES, E. A. S. Ensino e tecnologia: Uma proposta de exploração do Duolingo, via plano de trabalho docente, para o ensino de línguas. Conhecimento Online. Londrina, v. 2, p. 77-101, 2017.

FINARDI, R.; VIEIRA, G. V. Mobilidade e ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras. Cuiabá-MT, Polifonia, v. 24, 2017.

JUNIOR, W. A. M.; OLIVEIRA, N. A.; SOUZA, J. R. Aspectos cognitivos e interculturais em aplicativos de aprendizagem de línguas estrangeiras. Revista Ciranda. Montes Claros, v. 1, n.2, pp. 58-72, 2019.

TRAXLER, J. Students and mobile devices. ALT-J Research in learning technology. Shropshire, Vol. 18, No. 2, p. 149-160, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________