O USO DO GOOGLE TRADUTOR COMO INSTRUMENTO DE COMPREENSÃO TEXTUAL NA REDE PÚBLICA DE ENSINO

Eliane de Almeida Fernandes

Resumo


Diante da era da tecnologia, o uso do Google Tradutor como única forma de compreensão de textos em inglês pode causar frustrações nos estudantes da atualidade. Com isso, este trabalho tem por objetivo apresentar estratégias de leitura aliadas ao uso do Google Tradutor durante as aulas de inglês. A pesquisa foi feita por meio da metodologia qualitativa, observando uma sala de aula da rede pública estadual. A maioria dos alunos já conhecia a ferramenta de tradução do Google, entretanto mostraram interesse em aprender novos recursos e utilizações do aplicativo. Logo, o Google Tradutor pode ser um auxiliar nas aulas de língua inglesa desde que associado às estratégias de leitura e orientado pelo professor.

  

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. 2000. Ministério da educação. Parâmetros Curriculares Nacionais – Linguagens, códigos e suas tecnologias do ensino médio. Disponível online em:

Acesso em: 30 dez. 2019. BROWN, H. D. 1994. Teaching by principles: an interactive approach to language pedagogy. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, p.283-318.

CARVALHO, L. 2005-2020. Google Tradutor: como funciona, dicas e tudo o que você precisa saber. Olhardigital.com.br,. Disponível em:

Acesso em 09 de dez. 2019.

COLLINS, A. & HALVERSON, R. 2018. Rethinking education in the age of technology: the digital revolution and schooling in America. Second Edition New York: Teachers College Press.

COPE, B. e KALANTIZ, M. 2017. .E-learning ecologies- Principles for New Learning and Assessment. New York: Routledge.

COSTA, G., & DANIEL, F. 2013. Google Tradutor: Análise de Utilização e Desempenho da Ferramenta. Tradterm, 22, 327-361. Disponível em:

Acesso em 15 de dez. 2019

CRYSTAL, D. 2003.English as a second language. Second edition. Cambridge: Cambridge University Press.

DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. 2006. Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (Org.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, p. 15-41.

HARMER, J. 2006. The practice of English language teaching.5th edition. Pearson 2005 HINKEL, Eli. Current Perspectives on Teaching the Four Skills. In: TESOL’s 40th Anniversary Issue. USA.

IBGE – Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Censo demográfico. cidades.ibge.gov.br. Disponível em: Acesso em 12 de ago. de 2019

LEFFA, V.J. (Org.). 2011. O Professor de Línguas Estrangeiras - Construindo a profissão. 2a Edição. São Paulo: Parábola Editorial.

MORIN, E. 2000. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. Ensinar a identidade terrena. Editora/UNESCO P.63-78

PRENSKY, M. 2001. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon,v. 9, n. 5.

SANTOS, D. 2012. .Ensino de língua inglesa: foco em estratégias. Barueri, SP: Disal.

SÃO PAULO (Estado). 2017. Secretaria da Educação. Currículo Paulista Do Estado De São Paulo. escoladeformacao.sp.gov.br, Disponível em :

curriculo-paulista-26-07.pdf> Acesso em 6 de nov. de 2019.

TAKAKI, N. H.; MONTE. M. W. 2017. (Org) Construções de sentido e letramento digital crítico na área de línguas/linguagens: Campinas, SP: Pontes Editores.

VIEGAS, A.Como aproveitar o uso do celular em sala de aula? Disponível em: https://www.somospar.com.br/uso-do-celular-em-sala-de-aula/ acesso em 02/06/20. XAVIER, R. P. 2010. Ensinar e aprender língua estrangeira na contemporaneidade. Editora Contexturas: São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2020)

______________________________________________________________________________