JOGOS DE TABULEIRO – ALUNOS PRODUZEM A SUA AVALIAÇÃO

Zenaide Moschim Gianini

Resumo


RESUMO: Este artigo apresenta os resultados de um experimento realizado com aprendizes adultos de inglês, na Fatec Mogi Mirim, em 2013, em busca de soluções para dois problemas encontrados nesse contexto de ensino: a dificuldade de avaliar a aquisição e a produção oral e o baixo envolvimento dos alunos com a própria aprendizagem. Os alunos produziram jogos de tabuleiros para revisão de conteúdos e utilizaram esses jogos como instrumento de avaliação oral de final de semestre. As sessões foram gravadas para posterior transcrição e análise dos dados. O estudo fundamenta-se nos conceitos de “autonomia do aprendiz” de Holec (1981), nas contribuições de Luoma (2005) sobre a avaliação da compreensão/produção oral, e na contribuição de Thornbury (2005) sobre o ensino da produção oral. Os resultados indicam uma melhora na relação entre alunos, um aumento da autoaprendizagem e revelam pontos para ajustes e melhoria da prática de ensino comunicativo, justificando a pesquisa.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, H. G. 1997. Understanding rubrics. Educational leadership, 54.4: 14-17.

ASAD, E. M. M., HASSAN, R. B., SHERWANI, E. F. 2014. Instructional Models For Enhancing The Performance Of Students And Workforce During Educational Training. Academy Arena, 6.3: 27-31.

BENSON, P. & VOLLER, P. 2014. Autonomy and Independence in Language Learning. In: BREEN, M. P. (Ed.) Learner contributions to language learning: New directions in research. Routledge.

BORG, S., AL-BUSAIDI, S. 2012. Learner autonomy: English language teachers’ beliefs and practices. ELT Journal, 12.7: 1-45.

COUNCIL, OF EUROPE. 2000. European language portfolio (ELP): principles and guidelines.

GAER, S. 1998. Less teaching and more learning. Focus on Basic Connecting Research & Practice, 2.

HOLEC, H. 1979. Autonomy and Foreign Language Learning. Oxford: Pergamon. Strasbourg: Council of Europe.

KISHIMOTO, T. M. 1996. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo.

KRAJKA, J. 2016. Using the Internet in ESL writing instruction. The Internet TESL Journal, 6.11, 2000. Disponível em:http://iteslj.org/Techniques/Krajka-WritingUsingNet. Acesso em 15 jul. 2017.

LITTLE, D. 2006. Learner autonomy: Drawing together the threads of self-assessment, goal-setting and reflection. European Centre for Modern Languages (ECML, Hrsg.), Training teachers to use the European Language Portfolio.

LITTLE, D. & L. 1998. Dam. Learner autonomy: What and why? The Language Teacher_Kyoto-JALT, 22: 7-8.

LUOMA, S. 2005. Assessing speaking. Cambridge: Cambridge University Press.

MIRANDA, S. 2001. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. In: Ciência Hoje, 28: 64-66.

PRENSKY, M. 2001. Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon, MCB University Press, 9.5.

REINDERS, H. 2010. Twenty Ideas for Using Mobile Phones in the Language Classroom. English Teaching Forum, 3. UK.

SCRIVENER, J. 2005. Learning Teaching (2nd Edition), Macmillan.

VAN LIER, L. 1996. Interaction in the Language Curriculum: Awareness, Authenticity, Autonomy. New York and London.

VERHELST, N. et al. 2009. Common European Framework of Reference for Languages: learning, teaching, assessment. Cambridge University Press.

THANASOULAS, D. 2000. What is learner autonomy and how can it be fostered. The Internet TESL Journal, 6.11: 37-48. Disponível em: http://iteslj.org/Articles/Thanasoulas-Autonomy.html. Acesso em 15 jul.2016.

THORNBURY, S. 2005. How to Teach Speaking. Harlow: Pearson.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________