A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR COMPLEXO-DISCURSIVO NA CONTEMPORANEIDADE

Jeferson Cipriano de Araújo, Lucas Rodrigues Lopes

Resumo


Em face às profundas mudanças vivenciadas em sala de aula, a formação de professores de língua inglesa, na atualidade, pode se tornar um desafio diante de uma crise no paradigma educacional dos cursos de licenciatura nas universidades brasileiras. Nesse respeito, o presente artigo tem como objetivo discutir como cursos de formação de professores de língua inglesa, na modernidade, pode lidar com as tecnologias de informação e comunicação, uma vez que têm (re)organizado e alterado padrões na rotina e na vida pessoal de muitos. Com isso em mente, considerou-se o paradigma adotado por cursos de licenciatura, mais especificamente, o de Letras – Inglês, tomando como base a experiência nos ensinos fundamental e médio, superior e superior tecnológico, a fim de propor uma reflexão crítica sobre que práticas de ensino de língua inglesa têm sido priorizadas e legitimadas nos cursos de formação de professores de língua inglesa, propiciando, dessa forma, um olhar complexo-discursivo, considerando a noção de linguagem e práticas discursivas decorrentes da tecnologia com base nos estudos de Lankshear e Knobel (2011) e Bakhtin (1999), entendendo o ser humano como inacabado e sendo construído ao longo de sua vida, corroborando matizes biológicos e culturais. Neste trabalho, a Teoria da Complexidade, conforme Morin (1998) serviu-nos de lente ou forma de olhar e perceber, possibilitando interpretar as diversas ações sobre o mundo e sobre a vida, ambos diante da maior adversidade do mundo contemporâneo: a fragmentação dos saberes humanos, científicos e tecnológicos.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. de; CARVALHO, E.A. (org.). Edgar Morin. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. Trad. Edgar de Assis Carvalho. São Paulo: Cortez, 2002.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BAZZO, W. A. Ciência, Tecnologia e Sociedade: e o contexto da educação tecnológica. 4ª ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2014.

HALL, S. A. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

KRESS, G. Literacy in the New Media. London: Routledge, 2003.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. New literacies – changing knowledge and classroom learning. Reino Unido: Open University Press, 2003

MENEZES DE SOUZA, L. M. T. O professor de inglês e os Letramentos no século XXI: métodos ou ética? In: JORDÃO, C. et al (Orgs.). Formação “Desformatada” Prática com Professores de Língua Inglesa. Campinas: Pontes, 2011.

MORIN, E. Ciência com Consciência. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 1998.

PETRAGLIA, I. C. A Educação e a Complexidade do Ser e do Saber. 5ª ed. Petrópolis: Vozes, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________