MÉTODO JIGSAW CLASSROOM: APRENDIZAGEM COOPERATIVA NO ENSINO SUPERIOR TECNOLÓGICO

Maria Auxiliadora de Freitas Bastos Matias, Rubiane Duarte Masulck, Sandra Giacomin Schneider

Resumo


RESUMO: O presente estudo trata da utilização do método Jigsaw Classroom como ferramenta de trabalho visando a sua contribuição no ensino-aprendizagem ativo e cooperativo no Ensino Superior Tecnológico. O objetivo deste estudo foi auxiliar no desenvolvimento de competências e habilidades como o trabalho em equipe, aprimorar o exercício da autonomia e da criatividade e estimular a autoaprendizagem. Os dados foram analisados à luz da teoria de metodologias ativas, aprendizagem cooperativa e método de ensino Jigsaw Classroom. Os dados foram coletados em uma sondagem investigativa abordando a importância e a eficácia no desenvolvimento de práticas cooperativas no ensino de Espanhol para o alunado do Ensino Superior Tecnológico. Os resultados comprovam a eficiência metodologia Jigsaw Classroom quanto ao aprimoramento na autonomia, criatividade, trabalho em equipe e nas habilidades socioemocionais. Trata de uma era de inteligência coletiva, na qual o aluno passa de simples espectador à protagonista em potencial.


Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, P. R., BEHRENS, M. A., CARVALHO, R. G. 2001. Projeto Pacto: Pesquisa em aprendizagem colaborativa com tecnologias interativas. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

ARONSON, E., BLANEY, N., SIKES, J., STEPHAN, C., SNAPP, M. 1975. Busing and racial tension: The Jigsaw route to learning and liking. Psychology Today. 8: 43-50.

ARONSON, E., BRIDGEMAN, D. 1979. Jigsaw groups and the desegregated classroom: In pursuit of common goals. Personality and Social Psychology Bulletin. 5: 438–446. Santa Cruz.

ARONSON, E., PATNOE, S. 2011. Cooperation in the classroom: The Jigsaw Method. London: Pinter & Martin Ltd. 3a. ed.

BACICH, L.; MORAN, J. 2018. Metodologias ativas para uma Educação inovadora: Uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso. 1a. ed.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. 2015. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso. 1a. ed.

BEHRENS, M. A. 1999. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Curitiba: Champagnat. 2a. ed.

BISQUERRA, R. 2009. Psicopedagogía de las emociones. Madrid: Síntesis. 1a. ed.

BRASIL. 2014. Competências socioemocionais. 2014. Disponível online em: https://socioemocionais.porvir.org/ Acesso em: 10 mar. 2020.

BRASIL. 2014. INSTITUTO AYRTON SENNA (IAS). Competências socioemocionais: material para discussão. Rio de Janeiro: IAS. Disponível online em: http://educacaosec21.org.br/wp-content/uploads/2013/07/COMPET%C3%8ANCIAS-SOCIOEMOCIONAIS_MATERIAL-DE-DISCUSS%C3%83O_IAS_v2.pdf Acesso em: 27 fev. 2020.

BRASIL. 2016. Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia. Disponível online em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=44501-cncst-2016-3edc-pdf&category_slug=junho-2016-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 22 mar. 2020.

BRUFFEE, K. A. 1984. Collaborative Learning and the “Conversation of Mankind”. College English. 7: 635-652.

CASTELLAR, S. M. V; MORAES, J. V. 2016. Metodologias ativas: introdução. São Paulo: FTD. 1a. ed.

CHEETHAM, G. & CHIVERS, G. 2000. A new look at competent professional practice. Journal of European Industrial Training. 24.7: 374-383.

DEWEY, J. 2002. A escola e a sociedade: a criança e o currículo. Lisboa: Relógio D’Água.

GABRIEL, M. 2013. Educ@r: a Revolução Digital na Educação. São Paulo: Saraiva. 1a. ed.

GONDIM, S. M. G.; MORAIS, F. A.; BRANTES, C. A. 2014. Competências socioemocionais: fator-chave no desenvolvimento de competências para o trabalho. Psicologia Organizacional do Trabalho 4: 394-406

JOHNSON, D.; JOHNSON, R.; SMITH, K. 1998. A aprendizagem cooperativa retorna às faculdades. Change. 4: 26. Edina.

JONES, L. K. 1996. Job skills for the 21 stcentury: A guide for students. Phoenix: The Oryx Press. 1a. ed.

MORAN, J. 2015. Mudando a educação com metodologias ativas. Disponível online em: http://rh.unis.edu.br/wp-content/uploads/sites/67/2016/06/Mudando-a-Educacao-com-Metodologias-Ativas.pdf. Acesso em: 05 dez. 2019.

NUSRATH, A. et. al. 2019. Jigsaw Classroom: Is it an Effective Methodo Teachingand Learning? Student’s Opinions and Experience? Journal of Clinical and Diagnostic Research. 2: JC01-JC04

REBOLO, F.; BUENO, B. O. 2014. O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. Acta Scientiarum Education. 2: 323-331. Maringá.

SANTOS, C. P.; SOARES, S. R. 2011. Aprendizagem e relação professor-aluno na universidade: duas faces da mesma moeda. Est. Aval. Educ. 49: 353-370. São Paulo.

SPRINGER, L.; STANNE, M. E.; DONOVAN, S. 1997. Effects of cooperative learning on academic achievement among undergraduates in science, mathematics, engineering, and technology: a meta-analysis (Unpublished Report). Madison: University of Wisconsin- Madison and National Center for Improving Science Education- The National Institute for Science Education. 1a. ed.

TEODORO, D. L. 2011. Aprendizagem cooperativa no ensino de química: Investigando uma atividade didática elaborada no formato Jigsaw. São Carlos.

TORRES, P. L. IRALA, E. A. F. 2005. Aprendizagem Colaborativa: Teoria e Prática. Tubarão: Unisul. 1a. ed.

VARELLA, P. G. et. al. 2002. Aprendizagem colaborativa em ambientes virtuais de aprendizagem: A experiência inédita da PUCPR. Diálogo Educacional. 6:11-27. Canoas.

VIEIRA, P. N. B. 2000. Estratégias Alternativas de Ensino-Aprendizagem na Matemática: estudo empírico de uma intervenção com à aprendizagem cooperativa, no contexto do ensino profissional. Porto. 271 f. Dissertação (Mestre em Psicologia) Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto.

VYGOTSKY, L. S. 1998. A Formação Social da Mente: o Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. São Paulo: Martins Fontes. 1a. ed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________