GÊNEROS ACADÊMICOS: METODOLOGIA DE TRABALHO EM CURSOS TECNOLÓGICOS

Rosana Helena Nunes

Resumo


O artigo tem por objetivo mostrar a forma pela qual uma metodologia de trabalho poderá contribuir com o aprendizado em leitura e escrita acadêmicas. Ao chegar ao meio acadêmico, por vezes, o aluno apresenta dificuldades em leitura e escrita de textos de cunho científico. Pensar o ensino tecnológico em que haja condições de aprimoramento da escrita acadêmica, é considerar que esse ensino representará um salto epistemológico em relação a diferentes possibilidades de inserção do acadêmico, não apenas no mercado de trabalho, mas sim no mundo do trabalho. À luz de estudos desenvolvidos por A J. Greimas & J. Courtés (1983) e M. Bakhtin (1992), o artigo pretende dar avanço ao trabalho com a linguagem científica, tendo, como objeto de análise, resumos de artigos científicos, desenvolvidos por alunos de Gestão de Turismo e Gestão Comercial da Fatec/São Roque.

 

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. 1992. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC.

BAKHTIN, M. 1992. Estética da criação verbal. SP: Martins fontes.

BARROS, D.L.P. 1999. Contribuições de Bakhtin às teorias de texto e do discurso. In: C.A. FARACO; C. TEZZA e G. CASTRO (Orgs), 1999, Diálogos com Bakhtin. Curitiba: Ed. da UFPR. 2a. ed. pp. 21-42.

BARROS, D.L.P. Teoria do discurso – fundamentos semióticos. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

BARROS, D.L.P. 2002. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática.

BARROS, D.L P. 2014. O discurso intolerante na internet: enunciação e interação.

Disponível online em: http://www.mundoalfal.org/CDAnaisXVII/trabalhos/R0716-1.pdf. Acesso em: 05.agost.2017.

BRAIT B. 1999. A natureza dialógica da linguagem: formas e graus de representação dessa dimensão constitutiva. In: C.A. FARACO; C. TEZZA e G. CASTRO (Orgs), 1999, Diálogos com Bakhtin. Curitiba: Ed. da UFPR. 2a. ed. Da UFPR, p.69-92.

GREIMAS, A.J.; COURTÉS, J. 1983. Dicionário de semiótica. São Paulo: Ática, 1983.

GREIMAS, A. J.; FONTANILLE, J. 1993. Semiótica das paixões. São Paulo: Ática, 1993.

LANDOWSKI, E. 2002. Presenças do outro. São Paulo: Editora Perspectiva.

MARCUSCHI, L.A. 2001. Da fala para escrita – atividades de retextualização. São Paulo: Cortez.

MARCUSCHI, L.A. 2008. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

MORAIS, F. 2000. Corações sujos. São Paulo: Companhia das Letras.

V.L.O.PAIVA.2010. E-mail: um novo gênero textual. In: MARCUSCHI, L.A; A.C.XAVIER (Orgs.), 2010, Hipertexto e gêneros digitais – novas formas de construção de sentido. São Paulo: Cortez, 3a.ed. pp.81-108.

BARROS, D.L P. 2014. O discurso intolerante na internet: enunciação e interação.

Disponível online em: http://www.mundoalfal.org/CDAnaisXVII/trabalhos/R0716-1.pdf. Acesso em: 05.ago.2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

______________________________________________________________________________