TEORIA E PEDAGOGIA DE GÊNERO DO INTERACIONISMO SOCIODISCURSIVO

Cristiane Oliveira Campos Gonella, Rubens Fernando de Souza Lopes, Vitória Fortes Pires, Jacqueline Carvalho Barros

Resumo


Neste artigo, buscamos refletir sobre a teoria interacionista sociodiscursiva de gênero, bem como sobre sua pedagogia de ensino por meio de sequências didáticas, enfatizando o potencial dos gêneros orais, em especial da entrevista, no processo de ensino-aprendizagem da língua inglesa. Relatamos uma experiência de elaboração e utilização de uma sequência didática, cujo objetivo foi a apropriação do gênero oral entrevista de emprego. Essa sequência assumiu como norteadores a Abordagem Comunicativa e o conceito de Improviso Teatral. Em nossos resultados, apresentamos opiniões de alunos sobre a sequência didática e o desenvolvimento de uma aluna em relação ao gênero em pauta.


Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA, BenB. G. 2017. Gêneros no contexto brasileiro: questões [meta]teóricas e conceituais. São Paulo: Editora Parábola.

BRONCKART, J. 1999. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: Educ.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M. e SCHNEUWLY, B. 2011. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e Org. Roxane Rojo, Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, p. 81-108.

DOLZ, J. e SCHNEUWLY, B. 2009. Pour un enseignement de l´oral. Initiation au genres formels à l´école. Paris: ESF éditeur.

HOFFNAGEL, J. Cham. 2010. Entrevista: uma conversa controlada. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R. e BEZERRA, M. A. Gêneros textuais & ensino. São Paulo: Parábola, p. 195-208.

HYLAND, K. 2004. Genre and second language writing. Ann Arbor, MI: University of Michigan Press.

MACHADO, A. R. 2010. A perspectiva interacionista sociodiscursiva de Bronckart. In: MEURER, J. L.; BONINI, A. e MOTTA-ROTH, Dé. (Orgs.) Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, p. 237-259.

MARCUSCHI, L. A. 2008. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

MOTTA-ROTH, D. 2008. Análise crítica de gêneros: contribuições para o ensino e a pesquisa de linguagem. Documentação de Estudos em Linguística Aplicada, v. 24, n. 2, p. 341-383.

ROJO, R. 2010. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; BONINI, A. e MOTTA-ROTH, D. (Orgs.) Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, p. 184-207.

SCHNEUWLY, B. e DOLZ, J. 2011. Os gêneros escolares – das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e Org. Roxane Rojo, Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, p. 61-78.

SILVA, K. A. 2010. A (trans) formação inicial do professor de línguas: investigando a possível relação entre as teorias dos gêneros e as competências desejáveis. Letras, Santa Maria, v. 20, n. 40, p. 259-283, jan./jun.

SWALES, J. M. 1990. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press.

VYGOTSKY, L. S. 1978. Mind in Society. Cambridge: Harvard University Press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________