O CONHECIMENTO METACOGNITIVO NO PROCESSO DE APRENDER UM NOVO IDIOMA: O QUE SE SABE E O QUE SE CRÊ QUE SE SABE SOBRE A APRENDIZAGEM DE UM NOVO IDIOMA

Fabio Madeira

Resumo


Este trabalho traz uma discussão sobre o papel do conhecimento metacognitivo sobre os processos de ensino e de aprendizagem de línguas. Inicio tecendo alguns comentários sobre como a pesquisa em Linguística Aplicada na área de ensino de línguas vem, ao longo do tempo, estabelecendo relações com as Ciências Cognitivas. Em seguida a discussão enfoca, mais especificamente, as crenças trazidas ao contexto de aprendizagem de inglês como língua estrangeira: a formação delas e a influencia que exercem no processo de aprendizagem. Termino atentando à necessidade de se observar o aprendiz de língua estrangeira como um indivíduo que traz consigo  um sistema de crenças já formado e à necessidade de o professor assumir como sua tarefa a conscientização do aprendiz sobre aspectos do processo de aprendizagem aos quais nem sempre há a clareza que se necessita para o êxito do empreendimento.

 

Texto completo:

PDF

Referências


ABELSON, R. P. 1979. Differences between belief and knowledge systems. Cognitive Science, n.3 p. 355-366.

AUSUBEL, D. P. 1978. Educational psychology: A cognitive view. New York: Holt, Rinehart and Winston. 733p.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. 2002. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes. 75p

BARCELOS, A . M. 2001. Metodologia de pesquisa das crenças sobre aprendizagem de línguas: estado da arte. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. v.1 n. 1. p. 71-92,

___ 2004. Crenças sobre aprendizagem de línguas, Lingüística Aplicada e ensino de línguas. Linguagem & Ensino, vol. 7, n. 1. p. 123-156. .

BECKER, M. A. 1997. Cognitivismo – visão histórica. Disponível em:

< http://penta.ufrgs.br/~maria/cog00.htm >

Acesso em: 22 nov. 2006.

BUZATO, K. M. 2001 O letramento eletrônico e o uso do computador no ensino de língua estrangeira: contribuições para a formação de professores.. 112p. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

CARMAGNANI, A. M. G. 1994. Analisando as visões de leitura em língua estrangeira de alunos de terceiro grau. Crop, Sao Paulo, n.1 , p.78-83, nov.

COTTERALL, S. 1995. Readiness for autonomy: investigating learners’ beliefs. System, v. 23, n. 2, p.195-205.

___ 1999. Key variables in language learning: what do learnerd believe about them? System, 27, p. 435-441.

DASCAL, M. 2003. Entrevista publicada na Edição 210 do Jornal da UNICAMP de 22 de abril a 4 de maio de 2003. Disponível em http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/abril2003/ju210pg11.html Acesso em: nov. 2006

DELL-HYMES, D. 1972. - On Communicative Competence. In: J. B. Pride & Holmes, J. (org.) Sociolinguistics. Harmondsworth, Penquin. P. 53-73

DICKINSON, L. 1995. Autonomy and motivation – a literature review. System, v. 23, n. 2, p.165 – 174.

GREEN, P. & HECHT, K. 1992. - Implicit and Explicit Grammar: An Empirical Study. Applied Linguistics, vol. 13, nº 2,

JOHNSON, E. K. 1994. The emerging beliefs and instructional practices of preservice English as a second language teachers. Teaching & teacher education, vol. 10, n. 4, p. 439-453

JOHNSTONE, R. 2000. Research on teaching and learning:1999. Language Teaching, julho, p.141-162.

KARMILOFF-SMITH, A. 1995. - Beyond Modularity. A Developmental Perspective in Cognitive Science. The MIT Press. Cambridge, Massachusetts.

KERN, G. R. 1995. Students´ and teachers´ beliefs about language learning. Foreign Language Annals, vol. 28, n.1; 71-92.

KRASHEN, S. P1982. rinciples and Practice in Second Language Acquisition. Oxford: Pergamon. 202p.

LEFFA, V. J. 1991. A look at students´concept of language learning. Trabalhos em Linguistica Aplicada, n.17, p. 57-65.

LONG, M. H. 1981. Input, Interaction and Second Language Acquisition. In: Annal

New York Academy of Sciencies.

LONG, M. H. & Porter, A. P.1985. - Group Work, Interlanguage Talk, and Second

Language Acquisition. TESOL Quarterly, vol. 18, n.2.

___ M. H. 1991. Focus on Form: A design feature in language teaching

methodology. In K. de Bot, R. Ginsberg, & C. Kramsch (org.), Foreign

Language Research in Cross-Cultural Perspective (p. 39-52) Amsterdam,

John Benjamins.

MADEIRA, F. 2015. “A avaliação da produção oral em língua inglesa de candidatos a

empregos:instrumentos utilizados e julgamento dos avaliadores. Relatório de pós

doutoramento entregue ao Instituto deEstudos Da Linguagem, em outubro de 2015.

___. 2006. Crenças sobre o explícito construídas pelos aprendizes de um novo

idioma.Tese de doutorado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem, da

Universidade Estadual de Campinas, em maio de2006.

___ 2001. A comunicação em língua estrangeira mediada pelo computador: o impacto na Precisão. Dissertação de mestrado apresentada ao Instituto de Estudos da Linguagem,

da Universidade Estadual de Campinas, em maio de 2001.

MARTINO, M. 2018. Em palestra do Ciclo de oficinas e Palestras da Fatec Guarulhos. Maio de 2018.

NESPOR, R. 1987. The role of beliefs in the practice of teaching. Journal of Curriculum Studies, vol. 19, n. 4, p. 317-328.

NICOLAIDES, C. e FERNANDES, V. 2002. Crenças e atitudes que marcam o desenvolvimento de autonomia no aprendizado de língua estrangeira. The ESPecialist, vol. 23, n. 1, 75-99.

PAJARES, F. M. 1992. Teachers´ beliefs and educational research: Cleaning up a messy construct. Review of Educational Research, v. 62, n.3, p. 307-332.

PICA, T.1994. Research on Negotiation: What does it reveal about second-language learning conditions, processes and outcomes? Language Learning, n.44 (3), p. 493-527.

PRABHU, N. S. 1990. There is no best methyod – why? Tesol Quarterly, vol. 24, n. 2. p. 161-176.

RICHARDS, J., PLATT, J. & PLATT, H. 1993. Dictionary of Language Teaching & Applied Linguistics. Singapura: Longman. 423p.

RICHARDS, J. C. & LOCKHART, C. 1994. Reflective teaching in second language classrooms. Cambridge University Press.

SADALLA, A . M. F. A. , SARETTA, P., ESCHER, C. A . 2002. Análise de crenças e suas implicações para a educação. In: AZZI, R. G. & SADALLA, A. M. F. A. (org.). Psicologia e formação docente: desafios e conversas. São Paulo: Casa do Psicólogo. p. 93 – 112.

SOLIGO, A F. 2002. Contribuições da Psicologia Social para a formação do professor: representações sociais e atitudes. In: AZZI, R. G. & SADALLA, A. M. F. A. (org.). Psicologia e formação docente: desafios e conversas. São Paulo: Casa do Psicólogo. p. 143 – 160.

TEIXEIRA SILVA, V. L. 2000. Fluência Oral: Imaginário, Construto e Realidade num Curso de Letras/LE. Tese (Doutorado em linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem. Unicamp, Campinas.

VARONIS E. & GASS S. 1985. Non-native / non-native conversations: a model for negotiation and meaning. Applied Linguistics 6, p. 71-90.

WENDEN, L. A. 1998. Metacognitive Knowledge and Language Learning. Applied Linguistics, 19/4, p. 515-537.

______ 1999. An introduction to Metacognitive Knowledge and beliefs in language learning: beyond the basics. System, 27. p. 435-441.

______, 2002. L. A. Lerner Development in Language Learning. Applied Linguistics, 23/1, p. 32-55.

WINTER, B. & REBER, A. S. 1994. - Implicit Learning and the Acquisition of Natural Languages. In: Ellis N. (org.) Implicit and Explicit Learning of Languages. Academic Press.

XAVIER DOS SANTOS, V. 2004. Entrevistas com Anita Wenden e Flávia Vieira. Linguagem & Ensino, n. 5, vol. 2. p. 141-164. 2002. Disponível em:

< http://atlas.ucpel.tche.br/~poslet/v5n2/h_entrevista.pdf > Acesso em: nov. 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478

______________________________________________________________________________