A INFLUÊNCIA DAS TECNOLOGIAS NO COMPORTAMENTO DAS GERAÇÕES ATUAIS: FERRAMENTAS PARA O APRENDIZADO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Simone Cristina Mussio, Valéria Cristiane Validório, William Barbosa da Silva

Resumo


RESUMO: Este trabalho analisa a utilização da tecnologia como recurso adicional para o aprendizado de línguas estrangeiras (LE). Por meio de pesquisa bibliográfica, foi analisado o uso das novas tecnologias educacionais, tendo em vista o aparecimento de diversas gerações (Baby Boomers, X, Y, Z e Alpha). Desse modo, é notória a contribuição do Computer Assisted Language Learning (CALL), modelo de instrução que auxilia no aprendizado de LE, assim como das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), que permitem que os usuários desenvolvam/estruturem seus conhecimentos a partir da comunicação/interação com o mundo. A gamificação, outro recurso que pode contribuir para o aprendizado das LE, motiva o usuário a progredir nos estudos, tornando o aprendizado uma experiência mais dinâmica. Nesse sentido, foram apresentados os aplicativos Duolingo & Tinycards, Busuu e Linguee, a fim de demonstrar como tornaram-se facilitadores do aprendizado de LE para tais gerações, as quais estão conectadas por meio de smartphones/dispositivos.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, A. 2014. Eles já nascem conectados. Revista na Mochila. v.6, n. 32, p. 20-23. Disponível em: http://www.youblisher.com/p/857532-Revista-NA-MOCHILA-Ed-Abril-14-no-32. Acesso em: 20 de jun. 2018.

ARRUDA, N. A. O.; CAMPOS, F. M. 2013. Tecnologia na Educação: a aprendizagem da Língua Inglesa por meio da rede social LiveMocha. Educação, Cultura e Comunicação, v. 4, n. 7, p.49-52, jun, 2013. Disponível em: http://unifatea.com.br/seer3/index.php/ECCOM/article/download/565/516. Acesso em: 20 jun. 2018.

BERALDO, V. V. 2015. “Geração Alpha e o futuro da educação”. Disponível em: https://tutores.com.br/blog/geracao-alpha-e-o-futuro-da-educacao. Acesso em: 20 jun de 2018.

CONTE, G. S. 2016. Consumo compartilhado de roupas: diferenças de comportamento entre as gerações Y e Z. 2016. Dissertação (Bacharel em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/158561/001022062.pdf?sequence=1. Acesso em: 25 abr. 2018.

DINIZ, S. N. F. 2001. O uso das novas tecnologias em sala de aula. 2001. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001. Disponível em: http://www.pucrs.br/ciencias/viali/doutorado/ptic/aulas/aula_2/187071.pdf. Acesso em: 23 abr. 2018.

ESPÍNDOLA, R. 2016. Como funciona o Mobile Learning? Disponível em: https://www.edools.com/mobile-learning. Acesso em: 24 abr. 2019.

FARDO, M. L. 2013. KAPP, Karl M. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco: Pfeiffer, 2012. CONJECTURA: filosofia e educação, v. 18, n. 1, p. 201-206. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/viewFile/2048/1210. Acesso em: 19 abr. 2018.

FEIXA, C.; LECCARDI, C. 2010. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Soc. estado., Brasília, v. 25, n. 2, p. 185-204, ago. 2010 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922010000200003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 abr. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922010000200003.

FREITAG, B. 1984. Escola, estado e sociedade. In: Coleção educação universitária. Moraes.

GARBIN, E. M. 2003. Culturas juvenis, identidades e internet: questões atuais. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 23, p. 119-135, Aug. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782003000200009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 17 jun. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000200009.

GÓMEZ, P. C. 1999. A motivação no processo ensino/aprendizagem de idiomas: um enfoque desvinculado dos postulados de Gardner e Lambert. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 34, 53-77, jul/dez, 1999. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639298/6892. Acesso em: 17 apr. 2018. ISSN 2175-764X

HAMARI, J; KOIVISTO, J; SARSA, H. 2014. Does Gamification Work?- A Literature Review of Empirical Studies on Gamification. In: HICSS. p. 3025-3034. Disponível em: https://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?tp=&arnumber=6758978. Acesso em: 18 abr. 2018.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. 1998. Princípios de marketing. 7. ed. Rio de Janeiro: Travessa do Ouvidor. 527p.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. 2003. Princípios de Marketing. 9.ed. São Paulo: Prentice Hall. 593p.

LEE, H.; DOH, Y. Y. 2012. A study on the relationship between educational achievement and emotional engagement in a gameful interface for video lecture systems. In: 2012 International Symposium on Ubiquitous Virtual Reality. IEEE. p. 34-37.

MARQUES, D. L. S. 2017. Competências docentes na relação de ensino-aprendizagem com alunos da geração Z dos cursos de graduação em administração. 2017. Tese (Doutor em Administração) – Fundação Getúlio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/20593/Tese%20vers%C3%A3o%20final%20depositada%20na%20biblioteca.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 23 abr. 2018.

MATTA, V. 2013. “Como Gerenciar Conflitos de Gerações: Gerações X, Y e Baby Boomers”. 2013. Disponível em: https://www.sbcoaching.com.br/blog/comportamento/conflitos-de-geracoes. Acesso em: 10 de jun. 2018.

MCCRINDLE, M.; WOLFINGER, E. 2009. The ABC of XYZ: Understanding the global generations. The ABC of XYZ. 237p.

MORAN, J. M. 2000. Mudar a forma de ensinar e aprender com tecnologias. Interações, n. 9, p. 57-72.

MOREIRA, A. A. 2014. “Quatro gerações, conflitou ou oportunidade?”. Disponível em: https://pt.slideshare.net/aabmoreira/quatro-geraes-conflito-ou-oportunidade/. Acesso em: 15 de jul. 2018.

OLIVEIRA, C. 2015. Tic’s na educação: a utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Pedagogia em Ação, [S.l.], v. 7, n. 1. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/pedagogiacao/article/view/11019/8864. Acesso em: 23 abr. 2018. ISSN 2175-7003.

OLIVEIRA, E. D. S. et al. 2014. Proposta de um modelo de cursos baseado em Mobile Learning: Um experimento com professores e tutores no WhatsApp. In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância. Florianópolis/SC. p. 05-08.

OLIVEIRA, S. Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes. São Paulo: Integrare, 2010.

PERRENOUD, P. 2000. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. 192 p.

PRENSKY, M. 2001. Nativos Digitais, Imigrantes Digitais. On the horizon, v. 9, n. 5, p. 1-6. Disponível em: http://poetadasmoreninhas.pbworks.com/w/file/fetch/60222961/Prensky%20-%20Imigrantes%20e%20nativos%20digitais.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

SHINYASHIKI, E. 2009. “Educação e as crianças da geração Z”. Disponível em: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/educacao-e-as-criancas-da-geracao-z/26948. Acesso em 01 jun. 2018.

VESSELINOV, R.; GREGO, J. 2012. “Duolingo effectiveness study”. Disponível em http://static.duolingo.com/s3/DuolingoReport_Final.pdf/ Acesso em: 10 de jun. 2018.

ZUANAZZI, L. 2014. “O desafio da gestão da geração Z”. Disponível em: http://pt.slideshare.net/lzuanazzi1/o-desafio-da-gesto-da-gerao-z/. Acesso em: 10 jun. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________