UM ESTUDO DE CASO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE SOFT SKILLS E ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA POR MEIO DAS REDES SOCIAIS

ELDA GONÇALVES NEMER, RODRIGO AVELLA RAMIREZ

Resumo


Ao mesmo tempo em que promovem a interação no planeta, a globalização e a digitalização de sistemas têm evidenciado o desafio da comunicação entre indivíduos de culturas e línguas diferentes. A questão linguística tem como facilitador a adoção do inglês como lingua franca, ao passo que a questão cultural requer a adoção de comportamento tolerante, respeitoso e de empático que se constrói por meio das competências socioemocionais, que constituem a base teórica deste estudo. Este artigo visa apresentar como as redes sociais foram utilizadas em um programa de ensino da língua inglesa e de intercâmbio cultural entre Brasil e EUA. Com os dados obtidos por meio de um estudo de caso conduzido no SENAI, a partir do relato dos atores e da análise documental de seus resultados, pôde-se concluir que o programa alcançou os objetivos de promover a aprendizagem do idioma e o desenvolvimento de competências socioemocionais pelos estudantes.


Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. 1980. Psicologia educacional. Trad. de Eva Nick et al. Rio de Janeiro: Interamericana.

BRASIL. 2018. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em 20 set. 2020.

DELORS, J. 1996. Educação: Um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez.

GIORDANO, C. V.; LANGHI, C.; CILLI, T. L. B. 2017. A tecnologia da comunicação e informação nas práticas educacionais. 1. ed. São Paulo: Amazon.

INSTITUTO AYRTON SENNA. As competências socioemocionais no cotidiano da escola. Disponível em . Acesso em 20 set. 2020.

MORAN, J. 2000. Aprendizagem significativa. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2020.

PELIZZARI, A. et al. 2020. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. In Revista PEC, Curitiba, v.2, n.1, p.37-42, jul.2001-jul.2002.

PETEROSSI, H.G.; MENINO, S. E. 2017. A formação do formador. São Paulo: Centro Paula Souza.

PRADOS, R. M. N.; BONINI, L. M. M. 2017. Ensaios de semiótica aplicada. Curitiba: CRV.

PRODANOV, C.C.; FREITAS, E.C. 2013. Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2.ed. Novo Hamburgo: Feevale.

RAMIREZ, R. A. 2014. Histórias de vida na formação do professor. São Paulo: Centro Paula Souza.

ROJO, R. 2017. Entre plataformas, ODAS e protótipos: multiletramentos em tempos de WEB2. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2020.

SACRISTÁN, J.G. et al. 2011. Educar por competências - O que há de novo? Porto Alegre: Artmed.

SENAI. 2007. 65 anos de um sistema educacional consequente. São Paulo: SENAI-SP.

______. Metodologia SENAI de Educação Profissional. 2018. Disponível em < http://www.portaldaindustria.com.br/senai/canais/educacao-profissional/sobre-educacao-profissional/metodologia/>. Acesso em 20 set. 2020.

SHULMAN, L. De qual aprendizado estamos falando? Vídeo. Disponível em . Acesso em 20 set. 2020.

TELLES, A. 2011. A revolução das mídias sociais. 2. ed. São Paulo: M.books.

THE WORLD ECONOMIC FORUM. 2018. The Future of Jobs Report 2018. Disponível em . Acesso em: 20 set. 2020.

US-BRAZIL CONNECT. 2015. Conexão Mundo. Disponível em < http://www.us-brazil.org/conexao-mundo/>. Acesso em 20 set. 2020

WIGGINS, G. & MCTIGHE, J. 2006. Understanding by design. Upper Saddle River, NJ: Pearson Education.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________