EMI: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR TECNOLÓGICO

Fabiana Ignácio, Rodrigo Avella Ramirez, Helena Gemignan Peterossi, Beatriz Galhardo Oliveira Sanches

Resumo


Em tempos atuais, a língua inglesa adquiriu, em escala mundial, o papel de língua franca, ou seja, uma língua usada para comunicação internacional entre não falantes nativos do idioma. Esse novo papel do inglês tem gerado inovações no ensino-aprendizagem  do idioma, principalmente no ensino superior. Dentro desse contexto, surge o EMI (English As Medium Of Instruction).  Este artigo é um estudo de caso que teve como objetivo relatar uma experiência e os desafios na implementação de um curso piloto  no ambiente EMI dentro de uma instituição pública de ensino superior tecnológico do Estado de São Paulo. Os dados foram obtidos por meio de referências bibliográficas e, também, por meio de uma entrevista semiestruturada. A partir dos resultados da análise da entrevista, pôde-se concluir que esta experiência inovadora alcançou seus objetivos e que, certamente, contribuirá para a criação de outros projetos em EMI. 

Palavras-chave: EMI;  Ensino superior tecnológico; Língua franca


Texto completo:

PDF

Referências


BAIRD,R. Defining EMI. Southhampton 2017. Disponível em XXXX. Acesso em: 19 nov.2017

______. EMI and Globalisation. A good thing? Southhampton 2017. Disponível em XXXX. Acesso em: 19 nov.2017

BRADFORD, A. (2016). Toward a Typology of Implementation Challenges Facing English-Medium Instruction in Higher Education Evidence From Japan.Journal of Studies in International Education, 1028315316647165.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas: Aprendizagem, Ensino, Avaliação. Lisboa: ASA,2001.o a profissão. 2.ed. Pelotas: Educat, 2006. p.353-376.

DEARDEN, J. EMI Instructor. Oxford University. 2017 Acesso em : 3 jul. 2017

ERLING, E. J. The many names of English: a discussion of the variety of labels given to the language in its worldwide role. English Today, v. 21, n. 1, p. 40-44, jan. 2005. Dis- ponível em: < http://dx.doi.org/doi:10.1017/S0266078405001094 >. Acesso em: 10 out.2015.

GRADDOL, D. English Next. Reino Unido: British Council, 2006

HALL, Stuart. Identidade Cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Dp&A, 2014.

LEFFA, V. Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras. IN: LEFFA, V.(Org.). O Professor de Língua Estrangeiras: construind

JENKINS, J.; COGO, A.; DEWEY, M. Review of developments in research into Eng-lish as a lingua franca. Language Teaching, v. 44, n. 3, p. 281-315, jul. 2011. Disponível em:< http://journals.cambridge.org/abstract_S0261444811000115>. Acesso em: 12 out.2015.

MARTINEZ, Ron. English as Medium of Instruction (EMI) in Brazilian Higher Education: Challenges and Opportunities. 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/318487508 Acesso em 20 Set. 2020

McGREw, A. "A global society?". In: Stuart Hall; David Held e Tony McGrew (orgs.). Modernity and its 28 futures. Cambridge: Polity Press/Open University Press, 1992: 61-116.

PALLÚ, N. M. Que inglês utilizamos e ensinamos?: reinterpretações de professores sobre o processo de ensino e aprendizagem do inglês contemporâneo. 2013, 242f. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

RAMIREZ, A. R. História de vida na formação do professor. São Paulo: Centro Paula Souza. 2014

ROSA, Patrícia. O Inglês como língua franca na visão dos professores em exercício da educação. Universidade de Santa Cruz do Sul. 2016. Disponível em https://www.researchgate.net/publication/315096866 Acesso em: 20 Set.2020

UNESCO. The use of vernacular languages in education. Paris: UNESCO. 1953.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2018)

______________________________________________________________________________