LETRAMENTO SOCIAL EM LÍNGUA INGLESA: RELATOS DE UMA PRÁTICA DOCENTE

Fabiana Ignácio, Rodrigo Avella Ramirez, Rosália Maria Netto Prados, Alice Turibio Narita

Resumo


Em um curso superior de tecnologia, os alunos devem cursar a disciplina introdutória-Inglês 1, que consiste em equipar os alunos para a comunicação, oral e escrita, de informações pessoais.  Este artigo tem por objetivo analisar uma atividade de letramento, aplicada a uma turma de alunos calouros do curso superior  tecnológico em Logística de uma instituição pública estadual. Recorre-se à Teoria Social do Letramento (TSL) para demonstrar, no âmbito de uma atividade proposta aos alunos, como o letramento se dá em uma prática social específica: uma entrevista de emprego. No percurso metodológico, de abordagem qualitativa, recorre-se à pesquisa narrativa, segundo Clandinin & Connely (2015) para uma análise dos dados obtidos. Os resultados indicam que o aluno iniciante percebe-se capaz de intervir socialmente na língua-alvo.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 2a. Edição. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARTON, D. The Literacies for Learning in Further Education. In BAYNHAM, Mike; PRISLOO, Martin. (Eds.) The Future of Literacy studies. Londres: Palgrave MacMillan, 2009.

BAYNHAM, Mike; PRISLOO, Martin. (Eds.) The Future of Literacy studies. Londres: Palgrave MacMillan, 2009.

CLANDININ, D. J..; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa Narrativa. 2ª. ed. Uberlândia: edUFU, 2015.

CORACINI, M. J. Língua Estrangeira e Língua Materna. Uma questão de sujeito e identidade. In: CORACINI, Maria José (org). Identidade e Discurso. Campinas: Editora da UNICAMPI Chapecó: Argos Editora Universitária, 2003.

JOSSO, M.C. Experiências de Vida e Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

KLEIMAN, A. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Edunisc, v. 32, n. 53, 2007. Disponível em < https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/242> Acesso em 07 mai 2018.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: Dionísio, A P.; Machado, A. R. & Bezerra, M. A. (Orgs.) Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002, p. 20-35.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18a. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PAIS, C. T. Considerações sobre a semiótica das culturas, uma ciência da interpretação: inserção cultural, transcodificações transculturais. In: Revista Acta Semiótica et Lingvistica. SBPL, vol. 11, Ano 30, São Paulo: Terceira Margem, 2007, p. 149-157.

RIOS, G. Letramento, discurso e gramática funcional. Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 11 (2), 2010, p. 167-183.

RIOS, G. Representações Discursivas do Letramento em contextos locais: entre discursos dominantes e dominados. Tese de Doutorado, 2003.

SENGE, P. Escolas que Aprendem. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SOARES, Magda. Letramento. Um tema em três gêneros. 2a. edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

STREET, B. V. At Last: Recent Applications of New Literacy Studies in Educational Contexts. Research in the teaching of English. v.39, n4, 2005. Disponível em< https://www.jstor.org/stable/40171646?seq=1/analyze > Acesso em 10 jun 2018.

STREET, B. V. Letramentos Sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. [tradução Marcos Bagno]. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 2526-4478 - Qualis "B3" (2017/2020)

______________________________________________________________________________